sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Provai e vede que o Senhor é bom

“A sua misericórdia dura para sempre”, repete o salmista incansavelmente, tomado pela alegria que o conhecimento do amor de Deus gerou em seu coração. No hebraico, o termo traduzido por misericórdia - hésed – é amplo em significado e abrange também atributos como bondade, lealdade e amor. O amor de Cristo nos constrange, comentava Paulo, que mesmo em meio às dificuldades, insistia aos irmãos de Filipos:

Quanto ao mais, irmãos meus alegrai-vos no Senhor. A mim não me desgosta e é segurança para vós outros que eu escreva as mesmas coisas (Fl 3.1).

Na que é provavelmente sua carta escrita em tom mais pessoal, Paulo reitera que está alegre e exorta seus irmãos nesse sentido. E lá está a alegria como item do “fruto do Espírito” na carta aos gálatas, o que nos leva a considerá-la como resultado direto da presença de Deus em nossas vidas (Gl 5:22-23).

Cristo disse que no mundo teríamos aflições, mas daí para dizer que esta vida é um “vale de lágrimas” há uma bela distância. Já cheguei a dizer que não acredito em depressão em cristãos maduros por motivos meramente emocionais, contingenciais, e ainda reluto em admitir que tenha exagerado. Foi Cristo que disse: “Tende bom ânimo”. Certamente há algo de muito errado na vida espiritual de quem está sempre melancólico, por mais que motivos não faltem para nos entristecer e revoltar. Mas deixar os sofrimentos do presente tomarem conta da nossa alma é ceder à “tristeza segundo o mundo”, que “produz morte” (2 Coríntios 7:10). É dessa depressão, dessa tristeza patológica a que me refiro.

Enfim, as promessas bíblicas para os que forem fiéis a Ele são muitas, e “seus mandamentos não são penosos” (1 João 5:3). Portanto, associar ortodoxia, fidelidade estrita à Palavra de Deus, a legalismo e a fardos farisaicos é um disparate que só aqueles que, segundo Eric Voegelin, “não possuem a força espiritual exigida para a heróica aventura da alma que é o Cristianismo” poderiam conceber.“A lei do Senhor é perfeita e seus mandamentos alegram o coração”. A melhor alternativa para quem quer viver uma vida alegre é obedecer ao Senhor, buscar “o centro da Sua vontade”, como se diz. Vontade que, testificou o apóstolo, porque a experimentou: é boa, perfeita e agradável.

Edson Camargo

Um comentário:

Clovis disse...

Sara,

Belo e oportuno post.

Em Cristo,

Clóvis